Como montar um banco de dados de clientes?

Montar um banco de dados de clientes é uma das melhores práticas para otimizar a comunicação com o público e criar ações mais assertivas. Devido a transformação digital, ficou mais fácil realizar esse trabalho, já que atualmente, há excelentes ferramentas tecnológicas que acompanham os passos dos consumidores no mundo digital. Contudo, para gerenciar essas informações […]

Como montar um banco de dados de clientes?

Montar um banco de dados de clientes é uma das melhores práticas para otimizar a comunicação com o público e criar ações mais assertivas.

Devido a transformação digital, ficou mais fácil realizar esse trabalho, já que atualmente, há excelentes ferramentas tecnológicas que acompanham os passos dos consumidores no mundo digital.

Contudo, para gerenciar essas informações de forma correta, as empresas devem montar um banco de dados seguro, confiável e organizado.

Nesse artigo, você vai saber o que esse conceito significa e como ele pode ser colocado em prática.

Para mais informações, continue a leitura.

O que é um banco de dados de clientes?

Um banco de dados é uma coleção de informações estruturadas sobre o perfil, interesses e comportamento dos consumidores.

Em inglês, pode ser chamado de Customer Database ou Customer Data Platform.

Veja algumas das principais informações que podem estar inseridas na base de dados:

  • Dados de contato: nome e sobrenome, telefone, e-mail etc.
  • Dados demográficos: idade, gênero, localização, renda etc.
  • Dados relacionados à profissão: posição de trabalho, contatos mútuos etc.
  • Comportamento de navegação: páginas visitadas, conteúdo baixado etc.
  • Comportamento de compra: compras anteriores, cancelamentos anteriores, preferências de compras etc.
  • Dados de negócio: setor de atuação, número de empregados, propriedade etc.

Dessa forma, o ideal é que essas informações sejam gerenciadas em uma plataforma de CRM (gestão de relacionamento com cliente), que oferece os principais recursos necessários de automação de marketing e ajuda na organização.

Assim, os dados dos clientes podem ser utilizados para a criação de estratégias, campanhas e automatização do relacionamento com público.

Quais são as principais características de um banco de dados de clientes?

O banco de dados de clientes deve conter dados confiáveis, protegidos e com backup.

Além disso, ele deve ser acessado com facilidade, para que assim, você possa consultar as informações de forma rápida, sempre que for necessário.

O passo a passo para montar um banco de dados de clientes

Uma boa base de dados é essencial para melhorar o relacionamento com o consumidor, gerar inteligência de negócio e otimizar o processo de tomada de decisões.

Por esses e outros motivos, é muito importante montar um banco de dados organizado e eficiente.

Veja algumas dicas de como fazer isso:

1. Insira o banco de dados no planejamento do negócio

Os dados podem ser considerados ferramentas estratégicas para qualquer empresa.

Desse modo, isso não vale apenas para o marketing, mas também para outras áreas, como atendimento e vendas.

Ademais, as políticas de uso, formas de coleta e tecnologias utilizadas para esse trabalho, devem entrar no planejamento da empresa.

2. Não sobrecarregue o banco de dados com informações desnecessárias

O excesso de dados é o volume de informação excessiva que não gera valor para o negócio. Dependendo da situação, isso pode se tornar um problema.

Afinal, o conjunto excessivo de dados aumenta os custos e dificulta o processo de pesquisa. O ideal é analisar todos os dados, para que desse modo, você possa elencá-los por prioridades e definir padrões.

Portanto, essa é a melhor forma de entender o que é realmente fundamental para a rotina da empresa.

3. Defina prioridades e objetivos

O que a sua empresa realmente quer alcançar ao montar um banco de dados de clientes?

Afinal, é importante que toda a equipe defina prioridades e objetivos, que podem ser otimizar o relacionamento com o público-alvo, identificar novas oportunidades de vendas e muito mais.

Dessa forma, ao definir objetivos, torna-se mais fácil entender quais informações devem ser coletadas e qual a melhor forma de gerenciá-las.

Diante disso, estabelecer prioridades e objetivos também é importante para a definição de metas e análise de resultados.

4. Escolha os métodos de coleta de dados

A coleta de dados é um processo que tem como principal objetivo obter informações estratégicas para o negócio.

Os dados estão por toda parte. Logo, a interação dos consumidores com a sua equipe de atendimento e redes sociais pode gerar informações relevantes.

Assim, as ferramentas de web analytics, por exemplo, podem ser utilizadas para a coleta, análise e produção de relatórios de dados de navegação.

Desse modo, também é possível utilizar outros métodos de coleta de dados, como questionários online.

5. Centralize as informações

Conseguir acessar os dados necessários para tomar boas decisões e criar estratégias é essencial para qualquer negócio.

No entanto, quando as informações estão dispersas e descentralizadas, fica mais difícil encontrá-las.

Com a centralização, você obtém o controle total das informações, facilita a comunicação interna e otimiza o uso do tempo da equipe.

Assim, além de centralizadas, as informações também devem ser atualizadas com frequência.

6. Classifique os dados e faça a segmentação

Um banco de dados de clientes precisa estar devidamente organizado. Afinal, quem for acessar a base, precisa encontrar as informações de forma rápida.

Por isso, é importante que você classifique os dados coletados de forma objetiva e prática.

Dessa forma, ao organizar a base de dados, você consegue segmentar os clientes e, assim, criar estratégias mais eficientes.

7. Pense na segurança do banco de dados de clientes

Para manter a segurança do banco de dados de clientes, algumas práticas podem ser aplicadas, como por exemplo:

  • Limitar o acesso a base de dados
  • Identificar dados sensíveis e dados críticos
  • Manter uma política de privacidade transparente
  • Atualizar os softwares de forma constante
  • Testar a vulnerabilidade do sistema
  • Não utilizar a mesma base de dados para testes em aplicações

Banco de dados e a LGPD

Com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), os bancos de dados precisarão de outros cuidados, principalmente na fase de coleta. A captação de dados deve ser informada aos consumidores.

Ou seja, sempre que um usuário acessar uma determinada página, ele deverá ser avisado de forma imediata, caso esse site colete dados.

Sendo assim, ao criar um banco de dados de clientes, o seu negócio está sujeito às regras e sanções definidas nessa lei.

Portanto, a LGPD traz mais segurança tanto para os negócios quanto para os consumidores. Por isso, é necessário estar em conformidade com todos os pontos da lei.

À vista disso, se você quer utilizar as melhores ferramentas tecnológicas para criar um banco de dados de clientes de forma segura, eficiente e inovadora, entre em contato com a Brinov.

Juntos, podemos encontrar as melhores soluções para o seu negócio!

Quer adquirir uma solução de backup de SaaS e reforçar a segurança dos dados da sua empresa?

Falar com um consultor Seta
Esse artigo foi útil para você? Avalie!
Compartilhe
WhatsApp Linkedin Facebook Twitter

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos